A Prefeitura Municipal de Aparecida do Taboado desenvolve o “Projeto de Trabalho Social” – Plano de Desenvolvimento Sócio Territorial (PDST) para as 472 famílias contempladas com a casa própria nos residenciais “Tia Chica I e II”. Como parte das ações, nos dias 23 e 24 de abril, os beneficiários participaram de palestras com o tema “Lei Maria da Penha”.

De acordo com prestadora de serviço do PDST, assistente social Leiner Teruya, da empresa Societas Consultoria, o objetivo do projeto é conscientizar os moradores sobre os cuidados com o seu imóvel, com o bem estar de todos e os cuidados com a comunidade. Ela esclareceu ainda que todos devem cumprir seus deveres e, ao mesmo tempo, conhecer os seus direitos, o que valoriza os benefícios recebidos (casa, esgoto, asfalto, drenagem, iluminação, etc).

Os encontros foram divididos por residencial, no dia 23 a palestra foi para os moradores do Tia Chica I e no dia 24 para os que residem no Tia Chica II. Houve a participação da secretária municipal de Assistência Social, Lucilene Tábuas Carrasco, da coordenadora do PDST, Analice Gonçalves Domingos e da especialista em Políticas Públicas de Enfrentamento à Violência Contra a Mulher, Aparecida Gonçalves, da cidade de Campo Grande, convidada para debater sobre o tema.

Analice, coordenadora do PDST, destacou que o Trabalho Social é coordenado pela Secretaria Municipal de Assistência Social e as ações foram planejadas para atender a realidade local, com foco especialmente nos eixos: Organização Comunitária, Educação Sanitária e Ambiental, Educação Patrimonial e Geração de Renda.

A secretária de Assistência Social, Lucilene Tábuas Carrasco, lembrou aos moradores sobre a importância da união e agradeceu a participação de todos no projeto. Ela ainda agradeceu a presença da especialista, Aparecida, e enfatizou ser um assunto muito relevante para alertar as mulheres sobre a violência doméstica e sobre como se proteger do agressor.

Na oportunidade, Leiner Teruya fez uma explanação sobre o que é o PDST e salientou que “é um programa essencial, pois não adianta só dar a casa, é preciso dar orientação. É uma exigência do Governo Federal, executado com recursos do Fundo de Arrendamento Residencial)”.

Durante os encontros foram sorteados brindes entre os beneficiários e as crianças tiveram à disposição pula-pula, piscina de bolinha e oficina de contação de histórias, com distribuição de livros infantis.