Em reunião na Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Turismo e Meio Ambiente, na última segunda-feira, a empresa LedGold, de São Paulo-SP, manifestou interesse em construir uma usina de Placas de Energia Solar em Aparecida do Taboado.

O empresário Charbel K. Maluli e a consultora da empresa Cibele Marques foram recepcionados pelo prefeito Robinho Samara e secretária de Desenvolvimento Econômico, Dulce Lima. Na oportunidade, eles estavam acompanhados do presidente do Sindicato Rural, Eduardo Sanchez, que intermediou para que o encontro ocorresse.

O chefe do Executivo agradeceu o interesse da empresa e manifestou satisfação com o projeto apresentado para somar com o crescimento do município e geração de empregos. “O que vocês precisarem de informações sobre incentivos podem contar com a minha equipe, principalmente com a secretária de Desenvolvimento Econômico”, falou Robinho.

A intenção para a cidade é instalar uma Planta Fotovoltaica para Geração Distribuidora com o objetivo de realizar cessão de créditos de energia através de locação imobiliária/equipamentos. A proposta apresentada para a primeira fase, de construção, oferta 56 vagas de emprego para mão de obra e 105 empregos indiretos.

“O que traremos efetivamente é disponibilidade de energia. Nós temos um plano de expansão dessa usina para cinco megas, ou seja, construir cinco unidades desta no município, porque precisamos injetar energia para a concessionária”, contou Charbel.

A secretária de desenvolvimento, Dulce Lima, buscou saber dos empresários se a LeadGold também atende o ramo industrial, pois a maior reclamação dos empresários industriais de Aparecida do Taboado é relativa à qualidade de energia fornecida pela atual concessionária. “A indústria daqui é uma das maiores consumidoras de energia e sofre com a questão de qualidade”, frisou.

Cibele Marques apresentou pontos relevantes de desenvolvimento socioeconômico da região com a instalação da empresa. Segundo o plano de trabalho é oferecida: capacitação profissional gratuito para as pessoas interessadas a desenvolver esse nicho profissional; a empresa contribuirá para a economia do comércio local, pois a implantação demora em média seis meses e a equipe terá que permanecer em tempo integral se tornando consumidora em hotéis, restaurantes, bancos e comércio geral, bem como aquisição de equipamentos para a obra; transformará o município em referência como marco de ações sustentáveis; trabalhará a educação ambiental durante o período final da obra e após a conclusão da mesma, com capacitação para professores, pedagogos e outros profissionais da educação para que possam dirigir visitas monitoradas às instalações; além de gerar e fornecer energia aos pequenos e médios comerciantes, produtores rurais e outros consumidores que têm um alto consumo e consequentemente elevados custos mensais.

Charbel e Cibele confirmaram que os seus serviços são capazes de atender a indústria completamente. “O nosso trabalho não é post em instagram; é realidade. É mudar o lugar aonde a gente chega; é impactar”, concluiu Cibele.

Compartilhe com os amigos: